"Quando um homem deseja matar um tigre, chama a isso esporte; quando um tigre deseja matar um homem, este chama a isso ferocidade." Bernard Shaw

Hoje ele diria: "Quando uma instituição ataca contestadores, chama a isso justiça; quando os contestadores atacam uma instituição, esta chama a isso terrorismo."

domingo, 24 de abril de 2011

Sidarta, de Hermann Hesse, revisado



“Sidarta” foi publicado em 1922 e, em 1946, recebeu a honra do Nobel de Literatura. Com muita leveza, Hesse mostra a procura de Sidarta, um filho de brâmane, pelo caminho para o nirvana. Entre dogmatismo, peregrinações, ascetismo, egocentrismo, materialismo, vícios, luxúria e muitos traços do caráter humano, como Sidarta poderá se aproximar da paz?

Um comentário:

Adelbert Baer disse...

Um livro maravilhoso. Este livro eu li há muitos anos atrás como um adolescente. Agora, depois de vinte e cinco anos, voltar novamente para retomar novamente Herman Hesse, este tempo de leitura 'O último verão de Kringsor'. Ele é um autor que faz parte da minha vida.